Sociedade

Monumentos sem festa

Luciano Rocha

O Dia Internacional dos Monumentos e Sítios - comemorado ontem em vários países - esperemos que, em Luanda, tenha servido, ao menos, para reflexão dos que aceitaram cargos de responsabilidade a nível da cultura.

O programa do Ministério do sector, alusivo à data, anunciava para a capital do país uma palestra, de manhã, sobre “Educação Patrimonial”, na Universidade Metodista, proferida por Ziva Domingos, director nacional dos Museus, e a inauguração, à tarde, no Elinga Teatro, de uma exposição fotográfica sobre “sobrados de Luanda”, seguida de um debate sobre o assunto. O que significa que, em Luanda, o órgão máximo, a nível nacional, responsável pela cultura foi parco nas celebrações de uma data que lhe devia merecer especial atenção.
Mas, pensando bem, numa cidade, na qual monumentos e sítios estão, na generalidade, há anos, votados ao abandono, podia ser entendido como hipocrisia, assinalar a data de forma mais alargada. Valha aos luandenses o facto de terem sido poupados a discursos de palavras ocas, promessas vazias de objectivos, justificações ridículas por descabidas.
Quando os nossos monumentos e sítios começarem a merecer a atenção devida, como em qualquer cidade digna desse nome, então, sim, façamos a grande festa da cultura.

Tempo

Multimédia