Sociedade

Mutu-ya-Kevela e Magistério para a formação de professores

Rosalina Mateta

Em 1975, o edifício que albergava o Liceu Salvador Correia passou a denominar-se Mutu-ya-Kevela, no qual era leccionado o Ensino Secundário, que compreendia a 5ª e 8ª classes.

Fotografia: Kindala Manuel| Edições Novembro

O edifício foi classificado Monumento Nacional pelo despacho n.º 47, de 8 de Julho de 1992. Esteve, entretanto, encerrado desde 2008, para obras de reabilitação e manutenção da sua estrutura arquitectónica.
Desde Fevereiro do ano passado, o edifício centenário acolhe um Magistério dedicado à formação de professores para o ensino primário. A estrutura antiga contava no seu todo com 56 compartimentos, sendo que, no modelo actual, passa a contar com 49 salas de aula, incluindo laboratórios para práticas, Sala de Professores, Secretariado, Contabilidade e Reprografia.
A instituição conta ainda com uma enfermaria para primeiros socorros, cantina, sala da Associação de Alunos e outra de professores, duas salas de Coordenação de Pedagogia, vestiários para discentes, casa de banho para alunos com dificuldades de mobilidade, área de atendimento ao estudante e quatro campos desportivos.
O Mutu-ya-Kevela conta, no seu corpo central, com 2 pisos e uma cave, para a área técnica, sendo que o primeiro é destinado para a área administrativa e laboratórios, bem como algumas salas de aula. O segundo é igualmente para salas de aula e outros serviços adicionais.
António Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola, estudou no antigo Liceu Salvador Correia. Com ele, outros angolanos o fizeram, entre milhares de alunos portugueses facilitados pelo regime colonialista.

 

Tempo

Multimédia