Sociedade

Novo coronavírus provoca duas mortes em Angola

Manuela Gomes e Mazarino da Cunha

A ministra da Saúde anunciou ontem, em Luanda, a morte de duas pessoas, vítimas do Covid-19. Sílvia Lutucuta explicou que os dois cidadãos, com 37 e 59 anos, chegaram ao país nos dias 12 e 13 de Março, provenientes de Portugal.

A nível mundial, foram registados 667.600 casos positivos de Covid-19 e 31.737 mortes.
Fotografia: Edições Novembro

Em declarações à imprensa, a ministra da Saúde disse que as vítimas estavam internadas na Clínica Girassol. “O cidadão de 59 anos vivia habitualmente em Portugal e chegou ao país com sintomas leves de coronavírus. Nos últimos dias, teve uma evolução rápida do quadro clínico, com problemas graves de insuficiência respiratória. O paciente tinha outras doenças associadas e faleceu na manhã de sábado”, explicou.

Já o cidadão de 37, residente em Luanda, acrescentou, esteve internado durante uma semana, tendo o diagnóstico inicial excluído Covid-19. “Posteriormente desenvolveu um quadro com sintomas do Covid-19 e acabou também por morrer no sábado”, disse. Nesta altura, referiu Silvia Lutucuta, foram colhidas 272 amostras, sendo que 21 estão a ser processadas. O número de pessoas em quarentena institucional aumentou para 1.089, das quais 557 em Luanda.

“Estamos a fazer o rastreio a todos os viajantes nos centros de quarentena. Começamos nos centros I e II de Calumbo e, nesta altura, continuamos no centro de quarentena do hotel Victória Garden”, disse a ministra, acrescentando que nos próximos dias serão anunciados os locais para testagem de todos os viajantes dos últimos voos de risco.

A nível mundial, foram registados 667.600 casos positivos de Covid-19 e 31.737 mortes.

Funerais em 24 horas

Sílvia Lutucuta frisou que os familiares das duas vítimas do Covid-19 não terão acesso aos corpos e o funeral será em 24 horas, realizado pelas autoridades sanitárias. Para se evitar contágio, a governante explicou que os corpos não podem ser removidos de qualquer maneira, muito menos ter um funeral convencional, onde os familiares e amigos tenham acesso ao corpo. A ministra da Saúde explicou que os dois corpos terão um tratamento específico, como desinfestação, antes de serem colocados nas urnas. Tal como nos dias anteriores, hoje devem ser actualizados os dados.

Tempo

Multimédia