Sociedade

Novos casos de lepra registados na Funda

Augusto Panzo | Cacuaco

O registo de 11 novos casos da doença na Leprosaria da Funda, principal unidade de referência para o tratamento da lepra no país, constitui motivo de preocupação para o director da instituição, Inácio Duluma, que aguarda por melhores condições de assistência no hospital, depois das obras de restauro que estão em curso.

Pessoas suspeitas da doença devem quebrar o tabu e procurar as unidades sanitárias
Fotografia: DR

Em declarações ao Jornal de Angola, Inácio Duluma adiantou que, nos casos de lepra, Luanda aparece à frente da lista com um total de quatro, havendo ainda o registo de doentes oriundos do Huambo, Bengo, Huíla e Cabinda.
O director disse estar preocupado com o surgimento de novos casos na instituição, uma vez que a leprosaria já não registava qualquer nova ocorrência há muitos anos. “Desses casos é mais preocupante o facto de Luanda encabeçar a lista, com quatro ocorrências registadas nestes últimos meses”.
Acrescentou que a Leprosaria da Funda dispõe de um depósito de medicamentos em quantidades razoáveis, capazes de fazer frente à actual procura. “Temos antibióticos, tuberculostáticos e outros, como o parazinquantel, em quantidades suficientes para os nossos assistidos”, garantiu.
Inácio Duluma incentiva todos os suspeitos da doença a quebrarem o tabu e dirigirem-se àquela unidade sanitária, com o propósito de fazerem a merecida consulta e receberem o devido tratamento. Além dos 11 novos casos registados recentemente, a unidade tem igual número de doentes internos, que são antigos pacientes que, por diversas razões, não conseguiram regressar às suas zonas de origem e acabaram por ficar no hospital.
A assistência alimentar é assegurada por doações de várias organizações filantrópicas, às quais o Governo também tem juntado esforços, ao passo que o abastecimento de água é assegurado por um reservatório com capacidade de 35 mil litros ali instalado e abastecido por camiões, enquanto se aguarda pela ligação a partir de uma derivação do sistema de distribuição da Epal.
Tal como a água, a energia eléctrica também funciona 24 horas por dia, a partir do sistema de iluminação da rede pública.As obras de reabilitação da Leprosaria da Funda decorrem a bom ritmo e têm como grande novidade a vedação total do recinto sanitário, para orgulho da direcção encabeçada por Inácio Duluma, porque desde a inauguração, no longínquo ano de 1965, o espaço nunca teve tapume, o que facilitava a circulação desordenada de pessoas.

Obras em curso

“Neste momento, as obras estão em curso a um ritmo acelerado, para a beneficiação total da leprosaria, que incluem a vedação do espaço, bem como a transformação da antiga oficina de sapataria em sala de partos. Isto visa ajudar as pessoas que vivem nos arredores, para, em caso de partos, sobretudo à noite, não terem de correr o risco de procurar outros serviços nos hospitais do município ou mesmo de Luanda”, disse.
O director da leprosaria referiu que as obras, depois de concluídas, vão contribuir para o alargamento da capacidade da unidade sanitária, apesar de neste momento ainda não se ter uma dimensão exacta da lotação certa depois da ampliação.
Outra situação que se aguarda com grande expectativa é o seu apetrechamento, uma promessa da titular da pasta da Saúde, Sílvia Lutucuta, que esteve no local, em visita de constatação, na última segunda-feira.

Tempo

Multimédia