Sociedade

Novos comboios reforçam trajecto Bungo até Catete

Manuela Gomes

Sete novos comboios suburbanos entraram ontem em circulação no trajecto Bungo até Catete, elevando o número para 17, para satisfazer os utilizadores dos transportes ferroviários, informou o porta-voz dos Caminhos-de-Ferro de Luanda (CFL).

O CFL, além do transporte de passageiros, colocou em circulação um comboio para mercadorias
Fotografia: Maria Augusta | Edições Novembro

Augusto Osório disse ao Jornal de Angola que, com entrada em circulação destes novos meios, o CFL passará a transportar mais de 10 mil passageiros nas diferentes classes. Explicou que anteriormente a rota suburbana contava com apenas 10 comboios, o que permitia o transporte diário de seis mil passageiros.
O responsável informou que os novos comboios, à semelhança dos anteriores, passam a circular no período entre as 5h até às 20horas. Assegurou que estão criadas as condições em termos de segurança para que os passageiros sejam transportados sem qualquer constrangimento no trajecto Bungo-Catete.
Os bilhetes podem ser adquiridos em todas estações e, segundo o porta-voz,  estão criadas  as condições em termos de segurança para que os passageiros possam ser transportados no perímetro Bungo e Catete.
Em relação aos bilhetes de passagem, Augusto Osório fez saber que os preços mantêm-se, mas lembrou que os mesmo variam em função das três classes, sendo a primeira fixada em 500, segunda 200 e terceira 30 kwanzas. 
O porta-voz do CFL disse, por outro lado, que para fazer face às constantes reclamações por parte dos passageiros, no que se refere aos constantes atrasos, foi muito recentemente colocado em circulação um comboio exclusivamente para transporte de mercadorias.
“Anteriormente existia uma composição mista: carruagem para passageiros e vagões para mercadorias. Com esta junção, o processo de carregamento e descarga da mercadoria a nível das estações originava grandes atrasos”, disse, considerando que, com isso, o comboio levava cerca de 10H00 de Luanda até à província de Malanje, razão pela qual decidiu-se desagregar os vagões de mercadoria das carruagens de passagens.

Carruagens vandalizadas
Augusto Osório lamentou os actos de vandalismo que há cerca de quatro anos têm ocorrido ao longo das linhas férreas, nas carruagens e também nas estações, situação que tem constituído preocupação para a direcção do CFL.
“Nos últimos tempos êm-se registado, com frequência, actos de sabotagem, sobretudo nos comboios suburbanos. As acções acontecem com maior frequência entre a estação da Boavista e a passagem de nível da Cuca”, precisou.
Lembrou que tem sido uma constante a quebra diária de mais de cinco janelas/vidros das carruagens. “Tem sido um custo enorme para a empresa e não só, pois além dos vidros das carruagens também as locomotivas são atingidas”.
Além da destruição dos vidros das carruagens, o porta-voz do CFL disse que ainda no trajecto Boavista/Cuca os populares depositam lixo na linha férrea, particularmente na área da Dimuca até Viana, o que dificulta a circulação do comboio.
“Infelizmente, a deposição do lixo na linha férrea tem impossibilitado o normal funcionamento do comboio. Com isso, a empresa acaba por fazer dois trabalhos, transporte de passageiros e também tratar da limpeza nas linhas”,  denunciou.  
Noutras sedes provinciais, como Malanje, Dondo e Ndalatando, o cenário não é diferente, segundo o responsável do CFL. Disse que os meliantes também retiram os acessórios da linha férrea, como parafusos de aperto, cantoneiras e outros que permitem a circulação do comboio. .
Augusto Osório alertou as administrações municipais dos distritos urbanos e a Polícia Nacional a tomarem medidas contra os prevericadores,  de forma a desencorajá-los.

Tempo

Multimédia