Sociedade

Nutricionista quer produtos nacionais na merenda escolar

Em declarações à Angop, à margem de uma palestra sob o lema ” Ganhar Dinheiro em Tempo de Crise ”, enquadrado no programa dos 30 anos da escola pública 9001, situada no Benfica, reconheceu que os produtos nacionais são de fácil aquisição, contrariamente aos importados. Não correm o risco de chegarem deteriorados devido ao tempo que permanecem nos portos.

Fotografia: Angop

Nas zonas onde há carência de pão e de leite, elucidou, estes dois produtos da merenda escolar podem ser substituídos por banana cozida/assada, mandioca, bombó e sumos de frutas. Acrescentou que deve-se aproveitar a época de cada fruta e as bebidas tradicionais (não alcoólicas), de acordo com a cultura de cada zona.

Oportunidades de negócios

A nutricionista Paulina Semedo aconselhou os jovens a criarem oportunidades de negócio para enfrentar a crise económica, que ainda assola o país.
Para a prelectora, o momento que Angola atravessa constitui uma oportunidade para os jovens empreenderem, de uma forma objectiva e inteligente, sem, muitas vezes, recorrerem a empréstimos.
“ O empreendedorismo não se resume em mas sim desenvolver ideias inovadoras que possam ser vendidas”, referiu.
Como estratégia apontou a necessidade de aliar a oportunidade à aptidão para obtenção de sucesso. Segundo a nutricionista, o empreendedor não vende para o mercado. Cria mercado, sendo necessário que os jovens despertem a habilidade e identifiquem as oportunidades que esta crise oferece.

Necessidades da escola
De acordo com director do complexo escolar 9001, Pedro Baltazar, a escola pública do primeiro e segundo ciclos precisa de um anfiteatro, laboratório informático e biblioteca.
Construída em 1989, comporta 12 salas de aula para um universo de mil e 20 alunos, em três períodos.
A ex-escola 108, 1008, 2047 denomina-se agora complexo escolar 9001.

Tempo

Multimédia