Sociedade

Os cárceres privados merecem intervenção

Eduardo Cunha | Malanje

A direcção da Justiça na província de Malanje pediu o envolvimento das autoridades tradicionais para desencorajar as pessoas que mantêm em cárcere privado membros da sua família com problemas mentais ou que as submetem a outras situações indignas para um ser humano.

Delegado da Justiça manteve encontro com grupo de sobas
Fotografia: Eduardo Cunha | Edições Novembro

O pedido foi feito na terça-feira pelo delegado provincial da Justiça, Vitorino Domingos, numa visita a Kambundi Katembo, depois de ter sido divulgado o caso de dois jovens, com problemas mentais, acorrentados a um tronco de árvore.
Um está nessa situação há seis meses e outro há um ano. Esta prática é frequente no município de Kambundi-Katembo.
Vitorino Domingos insistiu na necessidade de as autoridades tradicionais colaborarem com as famílias e com as autoridades administrativas para que essa prática criminosa seja abolida no município.
O delegado provincial da Justiça garantiu, após o encontro que manteve com familiares dos dois jovens e com as autoridades tradicionais, que ambos vão ser encaminhados para a sede da província, a fim de serem submetidos a tratamento psiquiátrico no Hospital Regional de Malanje.
O  administrador de Kambundi-Katembo, Francisco Mutacambo, revelou que, recentemente, um jovem foi libertado do tronco depois da intervenção das autoridades administrativas e garantiu que era desconhecido o caso dos dois jovens já referidos.
“Havia um cidadão que se encontrava nas mesmas condições e, graças à minha intervenção, mandei tirá-lo do castigo a que estava submetido”, explicou Francisco Mutacambo.
O reverendo Júlio António, da Igreja Evangélica, qualificou de “acto desumano” a situação por que passaram os dois jovens.

Tempo

Multimédia