Sociedade

Polícia quer melhoria na prestação dos efectivos

Edivaldo Cristóvão

O segundo comandante-geral da Polícia Nacional, comissário - chefe António Pedro Kandela, garantiu ontem, em Luanda, o reforço dos órgãos de educação patriótica para torná-los mais actuantes, pró-activos com vista a assegurar os efectivos motivados e alinhados com a estratégia de actuação da corporação.

António Pedro Kandela enalteceu a árdua tarefa e o sacrifício feito todos os dias pelos efectivos
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Ao intervir na sessão de abertura do Conselho Metodológico dos especialistas de educação moral e cívica da Polícia Nacional que decorre até hoje, o comissário-chefe António Pedro Kandela disse que o país está a caminhar rápido para o progresso social e, com base nisso, a a corporação pretende continuar a dar o seu contributo para que o rumo do desenvolvimento decorra num clima de segurança e de paz pública.
“A educação patriótica dos efectivos tem um papel preponderante para o alcance desse objectivo”, sustentou, referindo que o encontro reúne responsáveis de distintos níveis de especialidade sobre os quais recai a responsabilidade de conduzirem os trabalhos nos vários pontos do país, com a exigência de pugnarem pela disciplina, elevação da qualidade e abnegação no exercício da missão.
Durante o encontro metodológico estão a ser discutidos e avaliados aspectos atinentes ao estado actual da organização e funcionamento do órgão. Por isso, o comissário-chefe pediu a uniformização da linguagem técnica e doutrinal da especialidade para melhor definir as linhas de força para fazer face aos desafios que se avizinham no âmbito da educação patriótica. Pedro Kandela recomendou aos participantes maior engajamento na discussão dos temas e posterior aplicação prática dos conteúdos. Disse, ainda, ser necessário que se trabalhe na implementação de um serviço mais apurado, no que tange à salvaguarda dos valores e da disciplina no seio dos efectivos para que sejam mais dinâmicos e visíveis no tratamento das questões relacionadas com a especialidade.
Neste particular, sublinhou que se pretende inverter a pirâmide, ainda deficiente, da união e coesão entre os efectivos. Disse, no entanto, que é importante que se trabalhe estreitamente com as unidades operacionais e com os comandos provinciais para a alteração do quadro actual da situação disciplinar dos efectivos”.
O segundo comandante da corporação defendeu, por outro lado, a contínua formação dos responsáveis, chefes e especialistas das áreas com maior relevância à nível da Polícia Nacional, através da realização de seminários, colóquios e conselhos metodológicos, com vista a elevar o profissionalismo.
Para ele, é hora de tornar a educação patriótica um veículo das boas práticas policiais, da consciencialização sobre o dever profissional e deontológico, que possam traduzir eficiência e eficácia no cumprimento das missões que nos foram constitucionalmente confiadas.
O segundo comandante-geral da Polícia Nacional enalteceu a árdua tarefa e o sacrifício feito todos os dias pelos efectivos para garantir a segurança dos cidadãos e dos seus bens, muitas vezes, em condições adversas, privados do convívio familiar, em situações climatéricas desfavoráveis nas cidades, vilas ou zonas mais recônditas do país.
Nesta perspectiva, reconheceu que os efectivos precisam de incentivos morais e materiais para manterem os níveis de desempenho. Por isso, aconselhou que, para além da prática de actividades desportivas ou recreativas regulares, se implementem projectos de convívio e lazer, que possam promover a saúde, a coesão, o espírito são e garantir uma maior interacção com as respectivas famílias.
O director nacional da Educação Patriótica da Polícia Nacional, Carlos Jesus Sousa, admitiu que a longa vivência na especialidade permite afirmar que em unidades onde o comandante coloca no rol das suas prioridades a educação e o bem-estar dos seus subordinados, o estado motivacional e o desempenho operativo dos efectivos é maior.
O encontro decorre sob o lema “Aperfeiçoar técnicas para dinamizar a actividade de educação patriótica na Polícia Nacional”. O evento realiza-se no Instituto Superior de Ciências Policiais e Criminais, General Osvaldo de Jesus Serra Van - Dúnem (ISCPC).

Tempo

Multimédia