Sociedade

Bombeiros terminam formação

André da Costa |

Um total de 189 efectivos do Serviço de Proteção Civil e Bombeiros, dos quais 48 mulheres, terminou ontem, no Quartel Principal em Luanda, os cursos de atendimento pré-hospitalar, inspector de prevenção e resgate e salvamento, que decorreu durante 120 dias na Escola de Formação de Bombeiros.

Bombeiros
Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

Os cursos estão inseridos no âmbito das políticas de formação, capacitação e elevação dos níveis técnico-profissionais dos efectivos, no âmbito da actuação da corporação em matéria de calamidades naturais e tecnológicas.
Para o comandante do Serviço Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, comissário António Vicente Gimbe, a actividade desenvolvida pelos efectivos deve obedecer a determinados procedimentos técnicos que permitem resolver o sinistro com maior segurança.
O comissário António Vicente Gimbe lembrou que a principal missão dos bombeiros é salvar vidas, sendo por isso necessário que os mesmos estejam bem preparados para o cumprimento das missões. “Para cumprir cabalmente as missões, é importante estar bem dotado de conhecimento técnico-profissional, bem como ter os meios à altura para o cumprimento das obrigações, particularmente os meios de protecção individual”, disse. António Vicente Gimbe pediu disciplina e organização aos efectivos para permitir o cumprimento das missões, adiantando que o bombeiro “é um soldado da pátria, da paz que tem como missão salvar o próximo e defender a natureza e o ambiente”, disse.
A negligência por parte do bombeiro, disse, pode resultar na perda de vidas humanas e no prejuízo da actividade económica, financeira e nos objectivos a proteger.  Considerou por isso uma actividade de elevada responsabilidade.
O subcomissário Miguel Paulo, que leu o relatório do curso, frisou que os efectivos aprenderam matérias relacionadas com técnicas de salvamento, primeiros socorros, prevenção e extinção de incêndios, identificação e classificação de material perigoso, segurança e protecção contra incêndios.
A finalista Sofia Cabuço considerou a formação como uma oportunidade para contribuir para o desenvolvimento do país e agradeceu aos instrutores angolanos pela paciência durante a formação.

Tempo

Multimédia