Sociedade

Polícia preocupada com crimes cometidos no seio da família

César André

O crescimento da onda de crimes violentos, grande parte deles, cometidos no seio familiar ou por pessoas próximas às vitimas, está a preocupar as estruturas do Ministério do Interior, revelou hoje, em Luanda, o titular da pasta, Ângelo da Veiga Tavares.

 

Setenta e nove por cento dos homicídios voluntários, ocorridos no país, foram cometidos por familiares
Fotografia: DOMBELE BERNARDO | EDIÇÕES NOVEMBRO

Falando na abertura do Conselho Consultivo alargado da Polícia Nacional, Ângelo da Veiga Tavares disse que 79 por cento dos homicídios voluntários, ocorridos no país, foram cometidos por familiares ou pessoas próximas às vitimas.
Do mesmo modo, 90 por cento das ofensas corporais voluntárias e 74 por cento dos crimes de violação, entre outros, também grande parte deles acontece no seio familiar, disse o ministro do Interior, referindo ter sido registada uma diminuição das acções violentas durante o último trimestre de 2018.
O ministro disse que apesar da redução dos crimes violentos, no último trimestre do ano de 2018, no cômputo geral houve um aumento significativo de crimes no ano transacto, com a ocorrência  de casos não denunciados e registados a partir dos hospitais.
 Ângelo da Veiga Tavares destacou, por outro lado, a realização de um conjunto de operações policiais, a nível de todo o país, que permitiram detectar diversas condutas criminais por parte de alguns segmentos da população. />Durante o ano passado, a Polícia Nacional realizou 30 operações, com destaque para “Relâmpago”, “Transparência”, “Resgate” e “Quadra Festiva”, tendo o ministro do Interior ressaltado que  a corporação, em colaboração com outras forças, desempenhou  um papel importante na garantia da ordem e da tranquilidade públicas.

Condecorações
A Polícia Nacional e os demais serviços executivos centrais do Ministério do Interior devem ter um sistema específico de condecorações, para permitir que os responsáveis possam reconhecer os actos de bravura e outros factos dignos de realce dos efectivos, deu a conhecer o titular da pasta.
 Ângelo da Veiga Tavares disse que a ideia de condecorações a atribuir aos efectivos dos órgãos do Ministério do Interior será feita sem prejuízo das competências do Presidente da República e Comandante em Chefe das Forças Armadas Angolanas.

 

Tempo

Multimédia