Sociedade

Professor convida aluna a fazer prova em pensão

O Tribunal Provincial de Luanda condenou, ontem, a seis meses de prisão, com pena suspensa, um professor de 45 anos, da Escola 4 de Abril, na Centralidade do Kilamba, em Luanda, por ter convidado uma das suas alunas para ir fazer uma prova académica de superação de nota numa pensão, com o objectivo de conseguir sexo a troco de favores na correcção da prova, tendo sido condenado apenas por falsificação de documento porque a aluna, de 20 anos, é maior de idade.

Não se trata do primeiro caso a nível das escolas
Fotografia: Dr

De acordo com o site da TPA, o docente foi ainda condenado a pagar uma taxa de justiça no valor de 50 mil kwanzas, bem como 40 mil de indemnização a favor da ofendida.
O representante do Ministério Público, inconformado com a decisão do juiz, interpôs recurso da decisão, tal como fez o advogado de defesa do réu.
Em face deste recurso, o juiz João Paulino procedeu à correcção da medida de coacção com uma multa de 100 mil kwanzas, que liberta o réu de permanecer na cadeia, onde já está desde o passado sábado, ficando, assim, a aguardar a decisão do Tribunal Supremo, caso a defesa e o MP apresentem os recursos no prazo de oito dias.
Reza a acusação que o professor, da disciplina de Francês, convidou a aluna, de 20 anos, que tinha a disciplina por fazer, dando-lhe a possibilidade de realizar uma segunda prova, porque a primeira, realizada no passado dia 8 de Maio, teria corrido mal.
O réu combinou então com a estudante do 12. º ano a descolar-se a uma das pensões situadas no município de Viana, no sentido de fazer uma segunda prova, facto confirmado pelo réu na sessão do julgamento sumário a que foi submetido terça-feira no Tribunal do Benfica.
O tribunal deu como provado que o réu daria as respostas à aluna em troca de favores sexuais e que ainda lhe faria o “favor” de fazer de contas que a prova tinha sido feita no dia 8, como era o caso dos restantes colegas.

Tempo

Multimédia