Sociedade

Protecção Civil deve dar respostas rápidas

Carla Bumba

O secretário de Estado do Interior para o Asseguramento Técnico, Salvador Rodrigues, exortou ontem, em Luanda, os agentes de Serviço de Protecção Civil e Bombeiros para a constante aptidão técnica e profissional para fazer face aos riscos de desastres.

Salvador Rodrigues (centro) abordou prevenção de desastres
Fotografia: DR

Salvador Rodrigues, que falava na abertura do seminário sobre “Redução de Risco de Desastres” disse que os agentes do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros devem estar preparados e capacitados para defender o cidadão.

As actuais mudanças climáticas, frisou o secretário do Estado Interior para o Asseguramento Técnico, exigem da corporação maior prontidão por forma a reduzir os riscos e vítimas em caso de desastre.
Para se atingir resultados aceitáveis, disse Salvador Rodrigues é imperioso o aperfeiçoamento, competências técnicas e profissionais a nível da administração pública e a disseminação de informação sobre possíveis calamidades. O agente do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros deve ser o primeiro defensor e impulsionador das alterações climáticas, do impacto nos investimentos económicos, sociais e das infra-estruturas que se reflectem na qualidade de vida da população.
O comandante do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, Bênção Mateus, disse que 90 por cento das catástrofes mundiais estão relacionados com a falta de água.
No caso de Angola, disse que as enxurradas, inundações e a seca têm sido as calamidades que mais mortes provocam, causando danos materiais, económicos e financeiro que se incidem nos sectores da Habitação, Saúde, Educação e infra-estrutura.
O comandante explicou que em cada 100.000 pessoas no mundo inteiro, pelo menos 860 são afectadas directamente e uma morre em consequência das inundações, por afogamento ou deslizamento de terra.
O seminário decorreu, no auditório da Mediateca de Luanda e participaram funcionários e técnicos do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros.

Tempo

Multimédia