Sociedade

Reabilitação depende de concurso público

A reabilitação da escola Angola e Cuba (3042), com 25 salas de aulas, no município do Cazenga, em Luanda, depende do concurso público que será lançado na segunda quinzena de Março.

Fotografia: DR


O director do Gabinete de Estudo, Planeamento e Estatística da administração do Cazenga, António Cabingano, disse que a administração está a reunir as condições para o lançamento do concurso público, em Março, no sentido de encontrar uma empresa com requisitos, capacidade financeira e pressupostos exigidos por Lei para a implementação do projecto.
António Cabingano, que falava no final da primeira Reunião Ordinária do Conselho de Auscultação as Comunidades, disse que a empresa vencedora do concurso deverá reabilitar a infra-estrutura na totalidade.
Esclareceu que o processo para a reabilitação da escola já teve outros contratos, mas foi necessário rescindir o acordo com a empresa que havia sido contratada em 2018, porque não possuía aptidão e demonstrou insuficiências e incapacidade para a execução da obra. Em 2018, a Administração Municipal do Cazenga aventava a hipótese da escola Angola e Cuba ser demolida, pois estudos feitos no exterior do país indicaram que as estruturas da escola estão muito comprometidas, correndo o risco de desabamento.
Ao começar-se a reparação da escola, segundo fonte da administração, a empresa responsável reparou que havia desabamento nas suas estruturas. Foi decidido fechar a escola Angola e Cuba porque já havia vestígios de que podia desabar, encontraram-se alternativas e nenhum aluno ficou sem estudar, sendo todos enquadrados em outros estabelecimentos de ensino.
A escola Angola e Cuba é do primeiro ciclo do ensino secundário e uma das mais antigas do município do Cazenga. Foi erguida por técnicos cubanos, no quadro da cooperação entre Angola e Cuba, dois parceiros estratégicos, desde a década de 1970.
Localizada na zona do Curtume encontra-se encerrada há mais de seis anos. É uma referência dentro do município.

Tempo

Multimédia