Sociedade

Reafirmado combate ao tráfico de drogas

Domingos Mucuta | Lubango

O secretário de Estado para o Asseguramento Técnico do Ministério do Interior reafirmou, na terça-feira, na cidade do Lubango, província da Huíla, a prontidão da Polícia Nacional no combate cerrado ao tráfico e consumo de drogas.

Fotografia: DR

Salvador José Rodrigues, que falava à imprensa à margem da inauguração do edifício do Comando da Polícia Nacional na Huíla, afirmou que os crimes relacionados com o tráfico e consumo de drogas estão a preocupar o Ministério do Interior.
“Estão dadas as indicações no sentido de haver maior controlo e combate cerrado ao tráfico e consumo de drogas a nível nacional. O consumo de drogas, além de provocar danos à saúde dos usuários, é das principais causas de desestruturação das famílias”, notou.
Para o secretário de Estado, o combate não é, apenas, tarefa dos efectivos dos órgãos do Ministério do Interior. Referiu que a luta deve contar com participação da sociedade nas acções de sensibilização para a prevenção e mudança de mentalidade.
“Todos somos poucos para fazer um combate cerrado aos traficantes e a todos que ainda insistem nesta prática, que em muitos casos desencaminham jovens estudantes. O consumo de drogas está na base da desestruturação das famílias”, reafirmou.
Salvador José Rodrigues foi informado que os órgãos da Polícia Nacional têm a situação criminal sob controlo, na medida em que os índices de criminalidade violenta baixaram.

Segurança comunitária

A criação, nos próximos tempos, de conselhos comunitários de segurança, como estruturas locais de auxílio aos efectivos, no combate à criminalidade, é um dos desafios do Comando Provincial da Polícia Nacional na Huíla.
O desafio foi assumido, na terça-feira, pelo comandante provincial da Polícia Nacional na Huíla, comissário Arnaldo Carlos, à margem da inauguração do novo edifício da corporação na província.
Com a criação de conselhos comunitários de segurança, de acordo com o comissário, pretende-se envolver de forma proveitosa a população nas acções de prevenção e de combate a casos delituosos e, acima de tudo, reduzir os índices de criminalidade.
Arnaldo Carlos informou que o combate à criminalidade será feito com a aproximação dos efectivos junto da população e com a participação desta nas acções de segurança comunitária.
“Devemos ter o envolvimento dos cidadãos, no auxílio às forças de segurança, para se obter os melhores resultados, em termos de ordem e tranquilidade públicas”, disse.O comandante provincial disse, por outro lado, que constitui preocupação da corporação a condução desregrada de motociclistas, vulgo kupapatas. Lembrou que é crime a falta do uso de capacete, a circulação na via pública sem licença de condução, o desconhecimento e desrespeito da sinalização vertical e horizontal.

Tempo

Multimédia