Sociedade

Redução de doações embaraçou governante

Manuela Mateus / Quiçama

A secretária de Estado da Juventude, Guilhermina Alkaim, viveu, quarta-feira, na vila da Muxima, município da Quiçama, em Luanda, uma situação embaraçosa por um grupo de camponeses, pertencentes a três cooperativas agrícolas, se ter recusado a receber instrumentos agrícolas e adubos em solidariedade com os colegas que não tinham sido contemplados.

Momento em que a secretária de Estado da Juventude procedia à entrega de donativos
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

Guilhermina Alkaim deslocou-se ao local a convite do Instituto Angolano da Juventude para proceder à entrega de meios para incentivo à prá-

tica da agricultura por cooperativas de jovens da Quiçama, visando o fomento do auto-emprego, empreendedorismo e cooperativismo no domínio agrícola.
Ao contrário do que estava previsto, a presença apenas de camponeses de três cooperativas, apareceram no local mais cooperativas e alguns independentes.
A delegação, chefiada pela secretária de Estado da Juven tude, levou à vila da Muxima apenas sete sacos de fertilizantes, dois de milho, 23 catanas, 32 pás, 12 cabos de enxa- das e 22 enxadas, quantidade que se tornou irrisória diante do número de camponeses que acorreram ao local da entrega dos meios.
Os bens ficaram à guarda da Administração Munici-pal da Quiçama para serem posteriormente distribuí-dos quando chegar à vila da Muxima quantidade que che-
gue para satisfazer as cooperativas e camponeses individuais do novo município de Luanda.
O programa incluiu uma mesa-redonda sobre em- preendedorismo juvenil, inovação e escoamento de produtos agrícolas. No final da palestra, a secretária de Estado da Juventude disse à comunicação social que tomou nota das preocupações dos jovens camponeses da Quiçama e explicou que o Executivo está a entregar material aos que estão empenhados na agricultura, a fim de terem meios próprios para fazerem da melhor forma o seu trabalho.
Guilhermina Alkaim assegurou aos presentes que o Executivo está atento às dificuldades dos jovens e deseja que se empenhem mais nos vários sectores da vida económica e social.
“Podemos ver que os jovens têm vontade de trabalhar”, declarou a secretária de Estado da Juventude, que deu ênfase ao Plano de Desenvolvimento Nacional, que contempla o Programa de Fomento ao Cooperativismo Juvenil nas Zonas Rurais e o Projecto de Apoio Institucional às Organizações Juvenis.

Município rural
O administrador municipal da Quiçama, Vicente Soares, enalteceu a iniciativa do Ministério da Juventude e Desportos de interagir com jovens agricultores e lembrou que o município é tradicionalmente rural.
“Quando se trata de enco- ntros que têm a ver com a agricultura, ficamos muito satisfeitos e atentos para ouvir”, acentuou o administrador da Quiçama, que disse ser intenção da administração municipal tirar maior proveito das orientações e sugestões saídas da mesa-redonda.
O director do Instituto Angolano da Juventude, Jofre dos Santos, explicou que o município da Quiçama foi o escolhido para o arranque do programa de entrega de meios agrícolas a jovens camponeses na província de Luanda, uma acção que visa o incentivo à criação de cooperativas de jovens empreendedores.
Em função da situação encontrada no terreno, Jofre dos Santos reconheceu que os meios chegados à vila da Muxima, inicialmente destinados a três cooperativas, foram insuficientes para serem distribuídos a mais de 90 pessoas, daí ter sido adiada a entrega, que vai ser feita na segunda fase.
Uma cooperativa pode ter no mínimo dez camponeses e no máximo 20, explicou Jofre dos Santos, quando lhe foi perguntado sobre o número de integrantes de cada cooperativa.
Luanda é a terceira província a ser contemplada pelo programa. No ano passado, foram distribuídos meios agrícolas a jovens camponeses, agrupados em cooperativas, das províncias de Cabinda e da Huíla.
O objectivo do programa, segundo Jofre dos Santos, é apoiar, no âmbito do em- preendedorismo e auto-emprego, mais de 17 mil jovens durante este ano. “Com base nos seus projectos, estes jovens vão poder contribuir para o combate ao desemprego, empregando outros jovens”, salientou o director do Instituto Angolano da Juventude, tutelado pelo Ministério da Juventude e Desportos.
Jofre dos Santos lembrou que uma das pretensões do Ministério da Juventude e Desportos é travar o crescente índice de desemprego no seio da juventude. “Por esta razão, apelamos aos jovens para que façam valer a sua criatividade e os seus conhecimentos técnicos”, acentuou o líder juvenil, reconhecendo que os jovens empreendedores podem exercer “grande influência” na diversificação da economia.

Tempo

Multimédia