Sociedade

Universidades do Ceará e UNIA avaliam convénio

As universidades do Ceará, no Brasil, e Independente de Angola (UNIA) avaliaram em Fortaleza, a possibilidade de estabelecer convénios de cooperação académica, no termo de um encontro que juntou os reitores das respectivas instituições, Henry Campos e Filipe Zau.

Filipe Zau, reitor da Universidade Independente
Fotografia: Paulo Mulaza|Edições Novembro


Na eventualidade de serem materializadas as intenções manifestadas no encontro, os convénios vão abranger as áreas de Educação, Comunicação, Arquitectura e Meio Ambiente.
Na reunião,realizada na quinta-feira, o reitor da UNIA, Filipe Zau, destacou os vínculos culturais entre o Brasil e Angola, em especial a Língua Portuguesa, e defendeu a importância de uma sinergia entre as duas nações, para a elaboração de respostas às questões sociais.
Com uma história recente marcada pela guerra civil, Angola, segundo o professor Filipe  Zau, enfrenta grande défice na área de educação. Daí o recurso à cooperação com instituições de ensino superior estrangeiras, com um perfil, idoneidade e percurso reconhecido.
“Muitas crianças em Angola não dominam bem a língua oficial e temos problemas na formação de professores. Hoje, os desafios no país vão além de saber ler e escrever”, declarou Filipe Zau, para quem Angola tem muito a oferecer nos campos do ensino de línguas e cultura africanas.
O reitor da UFC, Henry Campos, referiu como favoráveis as possibilidades de convénios com instituições de ensino superior angolanas.
“Temos uma relação muito próxima com Cabo Verde e hoje somos a universidade que mais recebe estudantes de países africanos, em especial os de língua portuguesa. Estamos em pleno processo de internacionalização e essa intenção de acordo é bem-vinda”, afirmou o reitor brasileiro.
Henry Campos apresentou ainda algumas acções  no capítulo da formação de professores, com ênfase para a preparação destes para actuar na rede básica de ensino.

Tempo

Multimédia