Sociedade

Sofrer vicissitudes na rua pelo familiar acamado

Yara Simão

Sentando no tronco de uma árvore, Martins José, mostra um aspecto desolado, cansado e asqueroso. Há 11 dias que está na rua, ao relento. Ali, enfrenta a natureza, mosquitos, temor, insegurança e incerteza, pois não sabe ao certo o que se passa com a sua irmã, internada numa das enfermarias de Ortopedia do Banco de Urgência do Hospital Josina Machel, em Luanda.

Mulheres enfrentam vicissitudes para se manter próximos de seus familiares internados
Fotografia: kindala Manuel | Edições Novembro

Tempo

Multimédia